O QUE É O ENDOCRINOLOGISTA

O QUE É O ENDOCRINOLOGISTA



O endocrinologista é o médico especialista em endocrinologia e metabologia, matéria responsável pelo estudo e tratamento de doenças do nosso sistema endócrino. Os hormônios são as substâncias pelos quais esses órgãos e sistemas agem sobre todo o nosso corpo.


As nossas principais glândulas endócrinas ( que produzem hormônios) são:

Hipófise: glândula endócrina do tamanho de uma ervilha, de aproximadamente 1 g, situada no centro do cérebro, responsável pela produção da maioria de nossos hormônios reguladores – são hormônios responsáveis por regular as outras glândulas endócrinas, como a tireóide, as gônadas ( testículos e ovários), as adrenais, a mama ( que é uma glândula exócrina ), regula também o crescimento através do GH e controle hídrico do corpo junto aos rins através do ADH (hormônio antidiurético).


Tireoide: glândula responsável pelo controle do metabolismo, conhecido como maestro do metabolismo, pois quando pouco ativo pode levar a lentidão, com sonolência, fraqueza, constipação, pele seca, frio, cansaço, unhas e cabelos fracos e até alterações na fertilidade, principalmente feminina.


As paratireóides: são 4 pequenas glândulas localizadas atrás da tireóide de aproximadamente 0,4g cada e responsáveis pela produção do PTH (paratormônio). O paratormônio, ou hormônio paratireoidiano, é um hormônio antagônico da calcitonina, produzido pelas células C da tireoide. Quando a concentração de cálcio no sangue aumenta muito além do valor médio, aumenta também a secreção de calcitonina e ocorre o depósito de cálcio nos ossos, a diminuição da reabsorção de cálcio pelos rins e a queda da concentração de cálcio no sangue. Quando a concentração diminui abaixo do valor médio, o paratormônio vai atuar nos osteoclastos (células que atuam na remodelação dos ossos) que reabsorverão a matriz óssea, solubilizando o cálcio. Assim acontece o aumento da absorção de cálcio no intestino e a reabsorção nos rins, o que elevará a concentração de cálcio no sangue.


Os testículos, os principais responsáveis pela produção de testosterona que age em diversos órgãos como os músculos, pele, cordas vocais, pêlos e cabelos, próstata, cérebro, estimulando a produção de espermatozoides, o aumento de massa magra, uma voz mais grave, pêlos mais densos de distribuição característicamente masculina, queda de cabelo em pessoas suscetíveis, aumento da agressividade, impulsividade e libido, dentre outros.


Os ovários, principais responsáveis pela produção de estradiol e progesterona que agem em diversos órgãos como desenvolvimento das mamas, e pêlos corporais além de regulação da ovulação. Eles são ativos em um período limitado da vida, da puberdade até a menopausa .


As adrenais são pequenas glândulas situadas acima dos rins com ação na produção do cortisol – nosso hormônio da resposta ao estresse, a aldosterona - responsável pela regulação do sódio e do potássio, testosterona e outros hormônios de ação androgênica, adrenalina que regula o nosso sistema nervoso autônomo – frequência cardíaca, respiração, digestão, dentre outros.


O pâncreas: responsável pela produção de insulina, nosso hormônio anabólico, responsável por introduzir a glicose dentro das células possibilitando seu uso como nossa maior fonte de energia. Produz também o glucagon que estimula a liberação de açúcar no sangue pelo fígado. O pâncreas também produz as enzimas digestivas ( que não são hormônios) e as libera diretamente no sistema digestivo. A amilase digere carboidratos, a lipase digere gorduras, e a tripsina digere proteínas. O pâncreas também secreta grandes quantidades de bicarbonato de sódio, que protege o duodeno ao neutralizar o ácido que vem do estômago.


Tecido adiposo: nosso órgão endócrino mais recentemente estudado, responsável pela produção de adipocinas. Dentre as principais adipocinas secretadas pelo tecido adiposo destacam-se:


- Adiponectina: possui influência na sensibilização insulínica e propriedades antiaterogênicas; e está reduzido na obesidade.


- Estrógenos: responsável pela conversão de testosterona em estradiol e androstenediona em estrona, tanto em homens quanto em mulheres.


- Angiotensinogênio: atua como percussor da angiotensina II, regulando a pressão sanguínea e influênciando na adiposidade;


- Interleucina 6: atua como mediador do processo inflamatório e influencia no metabolismo lipídico;


- Leptina: possui efeito de sinalização cerebral do estoque de gordura corporal, além de influenciar na sensibilização insulínica, regulação do apetite e gasto energético;


- Inibidor de ativador de plasminogênio I: age como potente inibidor do sistema de fibrinólise; - Resistina: influencia o desenvolvimento à resistência insulínica por meio de aumento da gliconeogênese hepática;


- Fator de necrose tumoral: inferfere na sinalização insulínica e possível causa da resistência à insulina na obesidade.


Portanto o endrocrinologista é o médico responsável pelo diagnóstico e tratamento de diversas doenças, como:


diabetes melitus ( controle da glicose no sangue)

diabetes insipidus ( deficiência de ADH e urina excessiva levando até a desidratação grave)

hiperprolactinemia ( produção de leite pelas mamas fora do período de amamentação do bebê)

insuficiência adrenal ( com fraqueza excessiva, por deficiência de corticosteróides)

cushing ( excesso de corticosteróides – com ganho de peso, grandes estrias na pele)

Puberdade e crescimento: por ação dos hormônios sexuais e do GH

Osteoporose e demais doenças ósseas como doença de Paget óssea, raquitismo e osteomalácia, osteogênese imperfeita, entre outras.

Hipertireoidismo e hipotireoidismo: alterações na produção de hormônios da tireoide

Nódulos e tumores tireoidianos

Hiperparatireoidismo e hipoparatireoidismo: alterações na produção de hormônios da paratireoide.

Tumores hipofisários: produtores ou não de hormônios





16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo